O liberalismo

O liberalismo

Com o colapso do feudalismo, as relações comerciais extra marino se expandiam conferindo às comerciantes fortunas em riquezas.Com o tempo, haviam muitas pessoas ricas que tinham muito dinheiro e nenhum poder, pois esse estava absoluto nas mãos do monarca que cobravam altos tributos. A insatisfação social, aliada pelos motins sociais e alimentadas por uma abundância de pensadores filosóficos da época, motivaram as revoluções que derrubaram a monarquia e implantaram os governos eletivos. 

O liberalismo é uma filosofia política ou cosmovisão fundada em ideias de liberdade e igualdade. Os liberais defendem uma ampla gama de pontos de vista, dependendo de sua compreensão desses princípios, mas geralmente eles apoiam ideias como eleições livres e justas, direitos civis, liberdade de imprensa, liberdade de religião, livre comércio e propriedade privada.

O liberalismo transformou-se primeiramente um movimento político distinto, quando se tornou popular entre filósofos e economistas no mundo ocidental. Esse pensamento rejeitava as noções, comuns na época, de privilégio hereditário, religião de estado, monarquia absoluta e Direito Divino dos Reis. O filósofo do século 17 John Locke é muitas vezes creditado em fundar o liberalismo como uma tradição filosófica distinta. Locke argumentou que cada homem tem um direito natural à vida, liberdade e propriedade e de acordo com o contrato social, os governos não devem violar esses direitos.

Os liberais se opuseram ao conservadorismo tradicional e buscaram substituir o absolutismo no governo pela democracia representativa e pelo Estado de direito. Os revolucionários da Revolução Gloriosa e da Revolução Francesa e outros revolucionários liberais daquele tempo usaram a filosofia liberal para justificar o derrube armado do que eles viam como regra tirânica. O século XIX viu governos liberais estabelecidos em nações de toda a Europa, América espanhola e América do Norte. Nesse período, o opositor ideológico dominante do liberalismo era o conservadorismo clássico.

No decorrer do século XX, as ideias liberais se espalharam ainda mais à medida que as democracias liberais se viram do lado vencedor em ambas as guerras mundiais. O liberalismo também sobreviveu a grandes desafios ideológicos de novos adversários, como o fascismo e o comunismo apesar de não tão antagônicos entre si. Na Europa e na América do Norte, houve também o surgimento do liberalismo social, que está relacionado com a socialdemocracia na Europa. O significado da palavra liberalismo começou a divergir em diferentes partes do mundo e está para alguns associado às políticas de bem-estar social, e enquanto para outros controverso ao bem-estar social.

Consequentemente, as ideias de individualismo e economia laissez-faire anteriormente associadas ao liberalismo clássico, se tornaram a base para a escola emergente do pensamento libertário de direita. Hoje, os partidos políticos liberais continuam a ser uma força política com vários graus de poder e influência em muitos países, porém com grande teor de radicalização, deturpando o real sentido do liberalismo. Para muitos, é uma espécie de anarquia, par outros, o ressurgimento do neoliberalismo.          
O liberalismo


Essa ideologia é como qualquer outra. Até o ponto em que defende a liberdade e igualdade é majoritariamente maravilhoso e comum, mas na prática, é dado uma outra finalidade. Longe de ser ideal a ser adotada por qualquer Estado, principalmente o Brasil, é admissível e oportuno que tem muito a oferecer e que muito pode ser aproveitado. No entanto, vale ressaltar que o liberalismo já foi parte do passado gerando pobreza e escravidão, baixo desenvolvimento humano e econômico e causa o mais grave de todos os erros ao não proteger a dignidade da pessoa humana.